terça-feira, 25 de novembro de 2008

entre cervejas e cigarros
passeia o homem de cantil azul
com sua sacola de sonhos
onde a mulher e suas magras crianças de colo
procuram satisfazer sua fome
de nada

Um comentário:

Mari disse...

Estranho vazio quando chega perto. Engana.

Esse estranho silêncio. Cheio de vazio.

Cheio de silencio.

Cheio de vazio.

Cheio. Cheio. Cheio de tudo, que é nada.

Nada sem sentido. Todo não sentido de vazio. Tudo foi nada.



Tudo foi nada cheio de brilho.

Vazio chão de lágrimas sortidas.

Coloridas.



Oh, vazio, como te preciso!

Para ser,

Sorrir,

Pensar.

Sentir.